O que é a Asma Grave?

 

Entre 5 a 10% dos casos de asma são graves.1

Quem tem asma grave pode não reconhecer que a sua doença se enquadra nesta categoria, e quem não vive com esta patologia pode não ter a correta percepção da sua gravidade.

Quais os sinais e sintomas?

 

A asma é caracterizada por uma inflamação crónica das vias respiratórias, com sintomas, níveis de gravidade e tratamentos diferentes.1

A asma é diagnosticada quando se apresentam sintomas respiratórios característicos como:1

  • Tosse
  • Sensação de peso no peito
  • Respiração curta e rápida
  • Pieira

A inflamação tipo 2 causa frequentemente a obstrução das vias respiratórias, a broncoconstrição e a produção de muco, podendo colocar em risco a função pulmonar, contribuindo para o risco de futuras exacerbações e controlo fraco dos sintomas.6

Como é possível fazer o diagnóstico de Asma Grave?

 

A gravidade da asma é avaliada com base no nível de tratamento necessário para controlar os sintomas e as exacerbações.1 Para tal, deve consultar um médico especialista.

Caso o especialista coloque a hipótese de o doente ter asma grave, os passos seguintes são:

  • Reavaliação do historial clínico do doente;
  • Revisão do tratamento que o doente possa estar a fazer;
  • Realização de prova física.

Depois disto, podem ainda ser feitos testes adicionais para determinar o tipo específico de asma que o doente tem. Um exemplo de teste a que os indivíduos podem ser sujeitos, de forma a descobrir se têm asma grave, é a determinação da fração exalada de óxido nítrico, denominada por FeNO. Este é um biomarcador que avalia se o doente tem asma grave com inflamação tipo 2 ou não, sendo um teste simples, rápido e não invasivo.7,8

Qual o impacto da Asma Grave?

 

Além do impacto na vida quotidiana das próprias pessoas e dos que a rodeiam, a asma está associada a custos diretos, como internamentos e medicação, e custos indiretos, como dias de trabalho perdidos ou baixa produtividade.2

Atualmente, já existem tratamentos que permitem melhorar a qualidade de vida das pessoas com asma grave. Porém, quando os sintomas não estão bem controlados, podem persistir e manifestar-se frequentemente (as chamadas exacerbações).1,3

A asma grave não controlada requer uma gestão da doença a longo-prazo, com foco na redução dos sintomas, das exacerbações e do uso excessivo de corticosteroides orais, e na melhoria da função pulmonar e da qualidade de vida.1

Quais os tratamentos disponíveis para a Asma Grave?

 

Os doentes que vivem com asma grave utilizam, normalmente, os corticosteroides inalados ou, em casos mais graves, corticosteroides orais. Porém, mesmo com este tipo de tratamento, muitas vezes a asma permanece sem controlo.

Para estes casos, existem um conjunto de terapêuticas inovadoras aprovadas, conhecidas como Medicamentos Biológicos (anticorpos monoclonais). Recentemente, em fevereiro de 2022, foi aprovado em Portugal um novo tratamento biológico para tratamento complementar de manutenção da asma grave e para outras patologias de inflamação do tipo 2: dermatite atópica moderada a grave (em adultos e adolescentes) e rinossinusite crónica grave com polipose nasal. Este tratamento pode ser considerado para doentes com asma grave caraterizada por eosinófilos elevados no sangue e/ou óxido nítrico exalado fracionado e/ou FeNO aumentada, que são inadequadamente controlados apesar das doses elevadas de corticosteroides inalados associados a outro medicamento para tratamento de manutenção9-12

Saiba mais sobre Asma Grave:

    1. Global Initiative for Asthma. Global strategy for Asthma management and prevention, 2020.
    2. Nunes C et al. Asthma costs and social impact. Asthma Res Pract. 2017 Jan 6;3:1.
    3. von Bülow A et al. The prevalence of severe asthma and low asthma control among Danish adults. J Allergy Clin Immunol Pract 2014;2(6):759-67.
    4. Fahy et al. Type 2 inflammation in asthma—present in most, absent in many. Nat Rev Immunol 2015 Jan;15(1):57-65.
    5. My life with asthma Survey. aafa.org
    6. Peters MC, Mekonnen ZK, Yuan S, et al. Measure of gene expression in sputum cells can identify TH2 high and TH2 low subtypes of asthma. J Allergy Clin Immunol. 2014;133(2):388 394.
    7. https://www.lung.org/lung-health-diseases/lung-disease-lookup/asthma/learn-about-asthma/severe-asthma
    8. https://www.fundacaoportuguesadopulmao.org/apoio-ao-doente/asma#128
    9. https://www.sabado.pt/viver-com-saude/saude-de-a-a-z/detalhe/asma-grave-a-doenca-dificil-de-tratar-que-afeta-70-mil-portugueses
    10. https://raiox.pt/associacao-portuguesa-de-asmaticos-lanca-campanha-eu-tenho-a-asma-grave-na-mao/
    11. Pneumologia - João Fonseca alerta para desafios da asma grave e da asma não controlada (jornalmedico.pt)
    12. Novos biológicos para o tratamento da asma (mec.pt)

MAT-PT-2300894 V1.0 10/23